Pelo terceiro ano consecutivo não haverá vencedor do Prémio Mo Ibrahim

Todos os anos, a Fundação Mo Ibrahim, reúne-se para entregar o seu famoso prémio. Isto recompensa a “liderança africana” depois de ter em conta quatro critérios: ser um antigo chefe de estado ou de governo, ter sido eleito democraticamente, ter completado o seu mandato durante os últimos três anos e ter demonstrado uma liderança excepcional.

Este ano, concorreram sete ex-presidentes: Jorge Carlos Fonseca, ex-presidente de Cabo Verde; Evaristo Carvalho, de São Tomé e Príncipe; Edgar Lungu, da Zâmbia ; Uhuru Kenyatta do Quénia; Mohammed Abdullahi Mohammed, presidente cessante da Somália; George Weah, que perdeu nas últimas eleições na Libéria e Muhammadu Buhari, ex-chefe de estado da Nigéria.

Segundo à Jeune Afrique, nenhuma conquista de qualquer um dos sete chefes de estado foi considerada suficientemente notável para merecer os 5 milhões de dólares que acompanham o prémio. “Depois de analisar cuidadosamente a lista de líderes que cumpriram o seu mandato constitucional nos últimos três anos e que, portanto, eram elegíveis para o prémio de 2023, o comité de premiação decidiu que não haverá vencedor”.

O último a ganhar o Prémio Mo Ibrahim de Liderança Africana foi ninguém menos que Mahamadou Issoufou, o antigo presidente do Níger.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Solverwp- WordPress Theme and Plugin